Osso nasal e outros marcadores ultrassonográficos no primeiro trimestre de gravidez

Você está em - Home - post - translucencianucal - Osso nasal e outros marcadores ultrassonográficos no primeiro trimestre de gravidez

Alterações na onda de velocidade de fluxo no ducto venoso são observadas em 80% dos fetos com trissomia do cromossomo 21 e em 5% dos fetos euplóides.

De forma semelhante, a prevalência de outros marcadores ultrassonográfi-cos, como onfalocele, megabexiga e artéria umbilical única, é maior em certas aneuploidias do que em fetos com cariótipo normal.

Cada um desses marcadores ultrassonográficos está associado a um fator de correção, que pode ser multiplicado pelo risco basal para se calcular um novo risco.

Além do osso nasal, podemos destacar a avaliação bioquímica sérica materna (fração livre do b-hCG) no primeiro trimestre de gravidez como fator indispensável para um diagnóstico de possível trissomia do cromossomo 21